Gerenciando projetos: conceito, prática, processo, metodologia, rotina

Uma discussão que vem acontecendo no mercado geral é sobre quais modelos de metodologia de projetos garantem melhor desempenho e resultados. Para gerar conhecimentos e abrir possibilidades, começamos na Ferrero um treinamento focado em gestão da mudança e o mindset de projetos. A partir de conceitos e exemplos práticos, Márcio Cassin está trabalhando as abordagens possíveis em encontros com líderes no formato online desde a última semana. “Qual o modelo ideal? Ágil, o de cascata (ou waterfall) ou o híbrido? Partimos destas perguntas, avaliando casos da empresa trazidos por eles e conceitos detalhados por nós, para chegar a respostas do que é viável para a cultura da empresa, considerando todos os tipos de projetos e garantindo maior engajamento e mobilização das pessoas que fazem parte dos processos”, explica Cassin.

Na metodologia ágil, as entregas são fracionadas, trabalhando em times auto organizados e de forma coletiva, com equipes multidisciplinares, para atingir uma meta estabelecida a cada nova fase. No modelo cascata, do inglês waterfall, o processo é visto como um fluir constante para frente, sendo dividido por fases como análise, projeto, implementação, testes (validação), integração e manutenção. 

No primeiro dia de treinamento, falamos sobre como um projeto nasce. O que é, quais elementos compõem, como funciona no negócio, quais metodologias existem e como usar, terminando na melhor forma de se iniciar o trabalho. Na atividade proposta, cada grupo teve que escolher um projeto atual em andamento e identificar o motivo dele existir, quais objetivos, a quem atende e o que ele entregará ao final, quando estiver completo. A ideia era entender todos os conceitos a partir do que vivem na prática, entendendo a gestão do negócio, organizando rotinas e processos. 

No segundo encontro, o desdobramento foi sobre como acontece então o projeto, passando pelos rituais de gestão e uma aplicação prática de change management. “Toda vez que mudamos, temos uma alteração no status quo, então é preciso criar mecanismos não só para comunicar os motivos da mudança, mas para manter as pessoas interessadas e engajadas no novo plano”, diz Cassin, lembrando de outro fator inseparável, para além dos conceitos. “Não podemos esquecer da conexão emocional que precisamos estabelecer com a mudança. Como eu gerencio qualquer movimento novo para cada contexto?”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quinzenalmente produzimos nossa Newsletter com conteúdo exclusivo sobre liderança, cultura, juventude e temas relacionados ao desenvolvimento humano. Assine e receba gratuitamente!

Inscreva-se agora e receba nossas últimas newsletters!

A Flow Brasil é uma consultoria que prepara pessoas, equipes e organizações para o crescimento, relacionando habilidades e desafios, em projetos de cultura, liderança e juventude.

  • Rua Macunis, 68 - Vila Madalena, São Paulo, Brasil

  • marcio.cassin@flgbrasil.com

  • Telefone: +55 (11) 96647-8080

Flow Group © 2020 Todos os direitos reservados | by Next4